domingo, 27 de abril de 2008

Por que acreditar que alguém que ganha 100 mil/ano pode ser mais esperto que outro que ganha 1 milhão/ano NA MESMA PROFISSÃO?

No fundo essa é a crença de todo indivíduo que acredita no sucesso da intervenção governamental: acreditar que um regulador, que ganha 100 mil/ano, é mais esperto (e pode se antecipar) que um especulador que NA MESMA PROFISSÃO, mas trabalhando no setor privado, faz 10 vezes mais por ano.

Claro que existem exceções, claro que existem pessoas extremamente capazes trabalhando no setor público. Talvez até a média de habilidade dos servidores públicos seja maior que a média de habilidades de seus pares no setor privado. Contudo, no que tange à regulação não estamos nos referindo a média dos trabalhadores, mas sim ao topo dos executivos e dos funcionários públicos. Nessa sub-amostra, que inclui apenas o topo da distribuição de habilidades, parece ser pouco provável assumir que a média de habilidades dos servidores públicos seja maior que a dos executivos trabalhando no setor privado. O motivo é simples: a diferença salarial entre eles é gigantesca, não parece correto assumir que o mercado pagaria tanto a mais para ficar com os menos capazes.

Assim, toda vez que você defender a intervenção do setor público lembre-se de que o setor privado, cedo ou tarde, conseguirá burlar a regra e tirar proveito dela. Pior: as grandes corporações, capazes de contratar os melhores profissionais, estará sendo BENEFICIADA pela regulação. Uma vez que podem se ajustar mais rapidamente à regulaçao que as pequenas empresas, que não possuem os profissinais necessários para tanto. Dessa maneira, o efeito prático de QUASE toda regulação governamental é diminuir a competição e favorecer as grandes empresas.

Esse post tem um endereço: a idéia dos Bancos Centrais de aumentarem a regulação no setor bancário. Esse blog é CONTRA tal idéia. Ela apenas REDUZIRÁ a competição entre os bancos, piorando a situação de toda a sociedade. E o que será pior: com menos bancos, teremos bancos necessariamente maiores, ou seja, os problemas potenciais de um banco serão cada vez mais onerosos para a sociedade, implicando que o governo irá no futuro ajudá-los em caso de crise. Tal procedimento apenas aumentará o custo das crises bancárias. O melhor mesmo é aumentar a competição entre os bancos, diminuindo o tamanho dos mesmos e tornando as crises bancárias muito mais restritas e menos onerosas.

2 comentários:

Anônimo disse...

A minha sugestão, simples, é de exigir 100% de reservas. Em outras palavras, o banco só poderia emprestar com o aval do correntista - rachar o lucro!!!
Um abraço Marco B
obs: isso significa que o mercado bancario seria igual ao mercado de capitais.

Fabio disse...

Ótimo comentário. Para analisar uma ação do governo, é útil sempre perguntar: vai aumentar ou diminuir a competição? As alegações do governo são sempre de que está "protegendo" o consumidor, ou o meio ambiente, ou a nossa saúde, ou o nosso bem estar geral. Mentira. Pelos seus frutos conheceremos a árvore podre governamental. As suas ações quase sempre levam à diminuição da competição e ao aumento do poder de algumas grandes empresas (afinal, é mais fácil controlar alguns bois gordos do que milhares de andorinhas no ar). O governo está sempre estreitando a nossa capacidade de escolher. Em breve, não teremos para onde correr.

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email