quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Hoje, para qualquer fim prático, acabou a democracia no Brasil.

Hoje, para qualquer fim prático, acabou a democracia no Brasil.

Quando Roma caiu? A resposta costuma ser 476dc mas pergunto, Roma deixou de existir depois disso? O que aconteceu com Atenas ao final da Guerra do Peloponeso? Atenas deixou de existir? NÃO!!! Quando lemos nos livros de história que o Império Romano caiu, ou que Atenas foi destruída, isso são apenas menções a sua perda de poder e influência. Quando um império desaparece isso não significa que se abre um buraco no lugar dele e toda a população desaparece.

O fim de um Império apenas ressalta que aquele modo de vida deixou de existir, ou então que existem outras regras, ou então que alguma situação básica foi alterada. Foi isso que ocorreu no Brasil hoje. A decisão do STF de aceitar os embargos infringentes no caso do mensalão sepulta a democracia no Brasil.

A partir de hoje tudo e nada são permitidos em nosso país. O domínio agora não é o da lei, mas o da posição do indivíduo. Você é petista? Então tudo pode. Você é um democrata, um conservador, um religioso, um liberal? Então cuide-se pois a você estão reservadas a discricionariedade de quem está no poder.

Um antigo provérbio diz: "Aos amigos tudo, aos inimigos a lei". No Brasil estamos pior, aqui vale outro adágio: "Para os amigos tudo, para os inimigos a lei e qualquer outra coisa que se possa inventar".

A democracia depende do estado de direito. Quando o estado de direito desaparece não existe espaço para a democracia. Hoje o STF acabou com o estado de direito no Brasil.

9 comentários:

Agente 65 disse...

Olha Adolfo, acho que o teu argumento é muito fraco. Tua tese foi contraditada por maioria e contrariado, atacas a nossa democracia.
Nem eu e nem tu estamos certos, podemos inclusive estarmos ambos errados e nada disto diz respeito à democracia.
Afirmar que a democracia caiu tem uma gravidade tão grande que justificaria um grupo de lunáticos impor um regime ditatorial no país.
As palavras tem poder e não podem ser proferidas sem a devida ponderação.
Quanto aos infringentes, a lei que regula previa o fim deles de forma expressa, foi votado e caiu. Ficou o princípio da garantia do recurso que qualquer réu tem. Nos casos analisados pelo STF apenas quando ocorrem quatro votos.
Este princípio do recurso infringente garantiu a reforma de grandes injustiças fartamente documentada na bibliografia.
Assim, no meu entender nem é tão grave como pregas e nem há tanta clareza jurídica como defendes. Um abraço.

mac disse...

Cara, o que você fala do mensalão tucano em MG, que aconteceu antes do PTralhas e ainda não foi julgado? Será que é mesmo o PTralha? você é mais um anti-pt sem conhecimento nenhum.

Anônimo disse...

Esse episódio dos embargos infringentes foi mais um descaso com a população brasileira. E também serviu para reafirmar a nossa condição de país de terceiro mundo.

Celso Costa disse...

Adolfo, muitas vezes concordo com tudo que fala. Mas desta vez você está exagerando e sendo partidário, pois o seu partido não é diferente do PT, você acha que nos governos do ACM nunca houve esquema de compra de votos? E na sua cidade natal quando jovem, nunca ouviu alguma história de compra de vereadores? Sei que o Mensalão foi o maior escândalo da história brasileira, mas essa prática não foi inventada por eles. Temos que ser a partidários, exigir instituições melhores. Os ministros do STF somente aplicaram a regra. E você como liberal deveria ser favorável a essa prática.

Anônimo disse...

Para Celso Costa: existe uma diferença fundamental entre o Mensalão e os outros casos citados: os caras foram pegos, julgados e condenados.

Celso Costa disse...

Foram julgados, contudo os envolvidos no Mensalão devem receber os mesmos tratamentos de qualquer um. E ter direito a um recurso é algo fundamental no estado de direito.
Por falar em condenados, o que poderíamos falar do Maluf, Donadon etc. Num país de impunidade, achar que iremos "limpar" a política condenando esses caras é no mínimo ingenuidade.
Penso que exista três caminhos: ou defendemos o "nosso" de forma transparente; ou defendemos uma verdadeira mudança; ou defendemos o "nosso" dizendo que estamos preocupados com o bem-estar geral. Dessas, as duas primeiras são justas com todos. E a terceira é apenas o que realmente acontece na política: cada um preocupado em levar o seu.

Anônimo disse...

Fora que de coitado o povo não tem nada. O mensalão
foi em 2006, eo que o povo fez desde lá? Reelegeu
Lula, elegeu Dilma, Joao Paulo Cunha e josé Genoino.
Agora quem votou neles que comam essa pizza!

Maria disse...

Qualquer democracia é inviável, até mesmo em um estado de direito. O que acaba prevalecendo é o pão e circo. Foi essa política que acabou com Roma. Nós estamos indo pelo mesmo caminho: menos horas de trabalho, aposentadorias especiais, passes livres, meias entradas.

Anônimo disse...

A militância petista na internet é implacável, onipresente e persistente como o funcionário público brasileiro, eles difundem uma verdadeira novilíngua. Como é que esses caras ainda insistem em inventar argumentos para defender o indefensável? Se o mensalão não foi crime, então o que é crime???

Google+ Followers

Ocorreu um erro neste gadget

Follow by Email